FAQ - Perguntas Frequentes

O que é a ISO/IEC 17025? Onde se aplica esta norma?

É uma norma que estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade em laboratórios de ensaio e calibração. Esta norma não cobre requisitos de segurança e regulamentos sobre a operação de laboratórios. A mesma está dividida em duas partes: requisitos da direção (com os aspectos gerenciais) e requisitos técnicos.

 

Qual a relação entre a ISO/IEC 17025 e a ISO 9001? Um laboratório que possui a ISO 9001 é considerado competente tecnicamente?

O atendimento da norma ISO/IEC 17025 atende a ISO 9001, pois os requisitos gerenciais são similares. O atendimento a ISO 9001 não demonstra a competência do laboratório para produzir resultados tecnicamente válidos.

 

Qual a diferença entre calibração e ensaios?

Calibração: Operação que estabelece, numa primeira etapa e sob condições especificadas, uma relação entre os valores e as incertezas de medição fornecidos por padrões e as indicações correspondentes com as incertezas associadas; numa segunda etapa, utiliza esta informação para estabelecer uma relação visando à obtenção de um resultado de medição a partir de uma indicação.

Ensaio: procedimento realizado, sob condições especificadas, com o objetivo de identificar o analito de interesse ou propriedade de um material em uma determinada amostra.

 

Qual a diferença entre reconhecimento de competência técnica pela Rede Metrológica e acreditação de laboratórios pela CGCRE do INMETRO?

O único órgão acreditador oficial no Brasil é a CGCRE do INMETRO. Os laboratórios acreditados têm seus laudos aceitos internacionalmente, pois a CGCRE possui o reconhecimento do ILAC e é signatário do acordo de reconhecimento mútuo internacional. Laboratórios reconhecidos são aceitos em âmbito nacional. A escolha pela acreditação ou reconhecimento vai depender do mercado onde o laboratório está inserido e de quais são as exigências de seus clientes.

 

A Rede Metrológica RS realiza calibrações e/ou ensaios?

Não. A Rede Metrológica RS não é um laboratório. A Rede reconhece a competência técnica de laboratórios de calibração e ensaios. Para conhecer os laboratórios que são reconhecidos acesse o link “Laboratórios Reconhecidos” em nosso site.

 

Um laboratório pode ser acreditado pela CGCRE do INMETRO e Reconhecido pela Rede ao mesmo tempo?

Sim. Neste caso existem 2 possibilidades:

Opção 1) O laboratório é acreditado pela CGCRE do INMETRO e associado na Rede Metrológica RS. Neste caso, o laboratório é automaticamente reconhecido pela Rede (sem necessidade de avaliação adicional).

Opção 2) O laboratório é acreditado pela CGCRE do INMETRO e deseja avaliar um escopo (diferente do acreditado) pela Rede Metrológica RS. Neste caso, o laboratório será “misto”, sendo avaliado pela CGCRE do INMETRO e Rede Metrológica RS. O único detalhe é que a Rede realizará somente uma avaliação técnica, não avaliando os requisitos da Direção, que já foram considerados na acreditação.

 

Quais laboratórios podem disponibilizar o Bônus Metrologia?

Os laboratórios que oferecem os serviços devem estar localizados no Estado do Rio Grande do Sul e terem seus serviços reconhecidos pela Rede Metrológica RS.

 

Como funciona o Bônus Metrologia?

É um programa que vai tornar a Micro e Pequena Empresa gaúcha mais competitiva! O Programa Bônus Metrologia do SEBRAE/RS visa proporcionar às micro, pequenas empresas e empreendedores do Estado do Rio Grande do Sul a oportunidade de obter qualidade e confiabilidade nos serviços de calibração e de ensaios em produtos, oferecendo um subsídio de 70% no valor do serviço solicitado, tendo como limite o valor de R$ 3.500,00 / empresa / ano.

 

O que é um Ensaio de Proficiência e uma Comparação Interlaboratorial?

Ensaio de Proficiência: determinação do desempenho de ensaios ou calibrações de laboratórios, que pode ocorrer através de comparações interlaboratoriais.

Comparação interlaboratorial: organização de uma comparação nos mesmos itens de ensaios (amostras) ou calibração (artefatos), por dois ou mais laboratórios, de acordo com condições pré-determinadas.

 

Os laboratórios reconhecidos ou acreditados devem participar de ensaios de proficiência/comparações interlaboratoriais?

Sim. A política da Rede Metrológica RS e da CGCRE do INMETRO é de que o laboratório deve participar de ensaios de proficiência, sempre que os mesmos estiverem disponíveis. Maiores detalhes estão disponíveis em documentos da Rede e da CGCRE do INMETRO aplicáveis a política de participação em ensaios de proficiência.

 

Como faço para participar dos Ensaios de Proficiência / Comparações interlaboratorial da Rede Metrológica RS?

Para participar você deve entrar no link interlaboratorial escolher a área do programa e fazer a inscrição on-line. Posteriormente, seu laboratório deve realizar o pagamento da taxa do programa escolhido. Maiores informações (técnicas, cronograma, avaliação de desempenho, etc) estão no plano de ação de cada um dos programas.

 

O que é necessário para um laboratório solicitar o Reconhecimento de Competência Técnica da Rede Metrológica RS?

O primeiro passo é ser associado na Rede. Depois disso, o laboratório deve ter implementado a norma ISO/IEC 17025 na integra em seus processos. A seguir, o laboratório pode solicitar a avaliação da Rede. Depois de reconhecido, o laboratório será avaliado anualmente para garantir a manutenção de seu reconhecimento. Maiores detalhes sobre esta sistemática estão descritos no procedimento RM 02, disponível para download no link documentos.

 

Como faço para participar dos cursos da Rede Metrológica RS?

A programação anual de cursos está disponível no site da Rede. Para participar do treinamento deve-se fazer a inscrição on-line (no site) e realizar o pagamento da taxa de inscrição do curso.

 

O que é o VIM?

VIM é o Vocabulário Internacional da Metrologia. Este Vocabulário fornece um conjunto de definições e termos associados em português, e de termos associados em inglês, francês e espanhol, para um sistema de conceitos fundamentais e gerais utilizados em metrologia, além de diagramas conceituais para ilustrar as suas relações. Para muitas definições são fornecidas informações adicionais sob a forma de exemplos e notas.

Este Vocabulário se propõe a ser uma referência comum para cientistas e engenheiros – incluindo físicos, químicos, cientistas médicos – assim como professores e técnicos envolvidos no planejamento e na realização de medições, independentemente do nível de incerteza de medição e do campo de aplicação. Ele também se propõe a ser uma referência para organismos governamentais e intergovernamentais, associações comerciais, organismos de acreditação, agências reguladoras e associações profissionais.

 

O que é Incerteza de Medição?

Parâmetro não negativo que caracteriza a dispersão dos valores atribuídos a um mensurando, com base nas informações utilizadas.

NOTA 1 A incerteza de medição compreende componentes provenientes de efeitos sistemáticos, tais como componentes associadas a correções e valores atribuídos a padrões, assim como a incerteza definicional. Algumas vezes não são corrigidos efeitos sistemáticos estimados; em vez disso são incorporadas componentes de incerteza de medição associadas.

NOTA 2 O parâmetro pode ser, por exemplo, um desvio padrão denominado incerteza padrão (ou um de seus múltiplos) ou a metade de um intervalo tendo uma probabilidade de abrangência determinada.

NOTA 3 A incerteza de medição geralmente engloba muitas componentes. Algumas delas podem ser estimadas por uma avaliação do Tipo A da incerteza de medição, a partir da distribuição estatística dos valores provenientes de séries de medições e podem ser caracterizadas por desvios-padrão. As outras componentes, as quais podem ser estimadas por uma avaliação do Tipo B da incerteza de medição, podem também ser caracterizadas por desvios padrão estimados a partir de funções de densidade de probabilidade baseadas na experiência ou em outras informações.

NOTA 4 Geralmente para um dado conjunto de informações, subentende-se que a incerteza de medição está associada a um determinado valor atribuído ao mensurando. Uma modificação deste valor resulta numa modificação da incerteza associada.

 

O que é Incerteza de Medição do Tipo A?

Avaliação de uma componente da incerteza de medição por uma análise estatística dos valores medidos, obtidos sob condições definidas de medição.

NOTA 1 Para diversos tipos de condições de medição, ver condição de repetitividade, condição de precisão intermediária e condição de reprodutibilidade.

 

O que é Incerteza de Medição do Tipo B?

Avaliação de uma componente da incerteza de medição determinada por meios diferentes daquele adotado para a avaliação do Tipo A da incerteza de medição.

EXEMPLOS:

Avaliação baseada na informação:

  • associada a valores publicados por autoridade competente,
  • associada ao valor de um material de referência certificado,
  • obtida a partir de um certificado de calibração,
  • relativa à deriva,
  • obtida a partir da classe de exatidão de um instrumento de medição verificado,
  • obtida a partir de limites baseados na experiência pessoal.

 

O que é rastreabilidade?

Propriedade de um resultado de medição pela qual tal resultado pode ser relacionado a uma referência através de uma cadeia ininterrupta e documentada de calibrações, cada uma contribuindo para a incerteza de medição. A rastreabilidade serve para assegurar que o resultado de uma medição está de acordo com o padrão que é especificado na declaração da rastreabilidade. Obviamente o resultado da medição está vinculado ao resultado do padrão de um nível mais alto, mas a incerteza da medição é a do próprio laboratório responsável pela realização da medição. Um resultado de medição sem rastreabilidade tem uma grande probabilidade de não estar correto.

 

Qual a diferença entre Aferição e Calibração?

Até o ano de 1995 eram utilizados os termos Aferição e Calibração com sentidos diferentes.      Por Aferição entendia-se a comparação entre os valores gerados por um padrão de referência e o valor efetivamente medido pelo instremento sob análise.
De outra parte, por Calibração entendia-se o ato de abrir o instrumento e proceder sua manutenção, até que este voltasse a medir dentro dos parâmetros estabelecidos pelo fabricante e, após esta intervenção, ele retornava ao laboratório onde era então procedida a Aferição. A partir de 1996 estes termos sofreram uma mudança no vocabulário técnico nacional a fim de adequarem-se a terminologia internacional ou VIM - Vocabulário Internacional de Metrologia. Hoje, a palavra Aferição caiu em desuso. Em seu lugar foi incluída a palavra Calibração e , o que entendia-se até então por calibração, passou a chamar-se de Ajuste.

Assim sendo, quando nos referimos a uma Calibração na verdade queremos dizer o ato de comparar as leituras da Unidade Sob Teste com os valores gerados pela Unidade de Medição Padrão, ao passo que um Ajuste corresponde a manutenção no instrumento que apresentou um erro muito grande durante o processo de calibração.

 

O que é erro de medição?

Diferença entre o valor medido de uma grandeza e um valor de referência.

 

O que é Exatidão?

Grau de concordância entre um valor medido e um valor verdadeiro de um mensurando.

NOTA 1 A “exatidão de medição” não é uma grandeza e não lhe é atribuído um valor numérico. Uma medição é dita mais exata quando é caracterizada por um erro de medição menor.

NOTA 2 O termo “exatidão de medição” não deve ser utilizado no lugar de veracidade, assim como o termo precisão de medição não deve ser utilizado para expressar “exatidão de medição”, o qual, entretanto, está relacionado a ambos os conceitos.

NOTA 3 A “exatidão de medição” é algumas vezes entendida como o grau de concordância entre valores medidos que são atribuídos ao mensurando.

 

O que é Precisão?

Grau de concordância entre indicações ou valores medidos, obtidos por medições repetidas, no mesmo objeto ou em objetos similares, sob condições especificadas.

NOTA 1 A precisão de medição é geralmente expressa numericamente por indicadores de incerteza tais como: dispersão, desvio-padrão, variância ou coeficiente de variação, sob condições de medição especificadas.

NOTA 2 As “condições especificadas” podem ser, por exemplo, condições de repetitividade, condições de precisão intermediária ou condições de reprodutibilidade (ver ISO 5725–3: 1994).

NOTA 3 A precisão de medição é utilizada para definir a repetitividade de medição, a precisão intermediária de medição e a reprodutibilidade de medição.

NOTA 4 O termo “precisão de medição” é algumas vezes utilizado, erroneamente, para designar a exatidão de medição.

 

O que é Repetitividade?

A Repetitividade é definida como grau de concordância entre os re­sultados de medições sucessivas de um mesmo mensurando, efetuadas sob as mesmas condições de medição. O limite de repetitividade é a máxima diferença aceitável entre duas repetições, ou seja, entre dois resultados independentes, do mesmo en­saio e no mesmo laboratório, sob as mesmas condições.  As condições de repetitividade incluem:mesmo procedimento de medição, observador, instrumento de medição, utilizado nas mesmas condições, mesmo local e repetição em curto período de tempo.

 

O que é Reprodutibilidade?

Reprodutibilidade é o grau de concordância entre os resultados das medições de um mesmo mensurando, efetuadas sob condições varia­das de medição. Alguns autores consideram estudos de reprodutibilidade como sendo programas interlaboratoriais. Neste caso, também poderia ser avaliada a reprodutibilidade intralaboratorial, verificando diferenças entre analistas, equipamentos, entre outros.

 

O que é validação de métodos?

Verificação na qual os requisitos especificados são adequados para um uso pretendido. Normalmente os itens de verificação de desempenho do método são: Especificidade, Seletividade, Linearidade, Faixa linear de trabalho, Sensibilidade (Limite de Detecção e de Quantificação), Exatidão, Estabilidade e tendência, Precisão (Repetitividade e Reprodutibilidade) e  Robustez.

 

O que é um método normalizado em método não normalizado?

Método Normalizado: É aquele desenvolvido por um organismo de  normalização ou outras organizações,cujos métodos são aceitos pelo setor técnico em questão. Por exemplo: ABNT, ASTM, ANSI, APHA, ISO, IEC, etc.

Método Não Normalizado: É aquele desenvolvido pelo próprio laboratório ou outras partes, ou adaptado a partir de métodos  normalizados e validados. Por exemplo: métodos publicados em revistas  técnicas, métodos de fabricantes de equipamentos,  métodos utilizando “kits” de ensaio e instrumentos portáteis, etc.

 

O que é um Material de referência Certificado (MRC)?

Material de Referência acompanhado de uma documentação emitida por um organismo com autoridade, a qual fornece um ou mais valores de propriedades especificadas com as incertezas e as rastreabilidades associadas, utilizando procedimentos válidos.

 

A Rede Metrológica RS prepara MRC?

Sim. A Rede é certificada ISO 9001 para preparar e certificar Material de Referência. Para fazer esta atividade, a Rede segue as normas ISO GUIA 34 e ISO GUIDE 35.

 

Onde um MRC pode ser utilizado?

Pode-se utilizar um MRC em calibrações de equipamentos, verificação da exatidão de métodos, verificação da precisão de métodos, elaboração de gráficos de controle metrológicos, cálculo de Incerteza de Medição, validação de Métodos, treinamento de analistas, entre outros.

 

FONTES:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO GUIA 43: Ensaios de proficiência por comparações interlaboratoriais. Rio de Janei­ro, 1999.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14597: Preci­são de métodos analíticos – determinação da repetitividade e reproduti­bilidade de métodos para ensaios de produtos químicos – Estudo intrala­boratorial. Rio de Janeiro, 2000.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO/IEC 17025: Requisitos gerais para competência de laboratórios de ensaio e calibração. Rio de Janeiro, 2005. 

COMISSÃO EUROPÉIA. Jornal oficial da comunidade européia: deci­são da comissão 2002/657/CE. 2002.

Vocabulário Internacional de Metrologia – Conceitos fundamentais e gerais e termos associados . Tradução autorizada pelo BIPM da 3a edição internacional do VIM - International Vocabulary of Metrology — Basic and general concepts and associated terms - JCGM 200:2008. Editada e publicada pelo INMETRO em 2009.

http://www.pucrs.br/labelo/